IPO de Lisboa quer padronizar consumos de concentrados eritrocitários por ato operatório

IPO de Lisboa quer padronizar consumos de concentrados eritrocitários por ato operatório

 

O IPO de Lisboa está a implementar um programa Patient Blood Management (PBM), com o objetivo de prestar o melhor tratamento ao doente, que assenta numa estratégia glo bal de racionalização da transfusão, permitindo uma otimização deste recurso.

Uma das medidas que introduziu foi a elaboração de um mapa MSBOS (Maximal Surgery Blood Order Schedulling), com o intuito de padronizar consumos de concentrados eritrocitários (CE) por ato operatório em cirurgia programada.

O conceito de PBM compreende um conjunto de estratégias médicas e cirúrgicas que pretendem preservar e otimizar as condições do doente no que se refere à utilização de componentes sanguíneos, corrigindo os três principais fatores causadores de outcomes adversos: a anemia pré-operatória, a perda de sangue perioperatória e a transfusão de sangue.

Está já descrito que a implementação desta abordagem coordenada e multidisciplinar se traduz numa redução da utilização de componentes sanguíneos e das complicações associadas à transfusão, assegurando os melhores outcomes para os doentes e reduzindo os custos associados aos cuidados de saúde

Foi neste contexto que, em março de 2017, a União Europeia publicou um guia prático para a implementação do PBM nos hospitais, assumindo-o como uma estratégia a considerar.

Segundo Dialina Brilhante, “um programa de PBM requer uma abordagem holística que obriga a uma coordenação e planeamento apoiados por uma equipa multidisciplinar que envolve médicos, enfermeiros, assistentes técnicos e técnicos de laboratório”.

 

“Otimizar a produção de glóbulos vermelhos, minimizar as perdas sanguíneas e otimizar a tolerância à anemia constituem os três pilares associados ao conceito de PBM”, destaca a diretora do Serviço de Imunohemoterapia do IPO de Lisboa e secretária-geral do Anemia Working Group Portugal (AWGP).

A médica relata que no Instituto onde trabalha, na Consulta de Anestesiologia Pré-Operatória e sempre que o intervalo de tempo até ao ato cirúrgico o permita, é feita a referenciação dos doentes com anemia ao Hospital de Dia de Transfusão do Serviço de Imunohemoterapia.

Deste modo, fica assegurada a correção da ferropenia, do défice de vitamina B12 e ácido fólico, se existirem, e são otimizados os níveis de hemoglobina pré-operatórios. Assinala-se que estes parâmetros são regularmente avaliados mesmo em doentes sob quimioterapia.

Programa de PBM no IPO de Lisboa “no bom caminho”

Segundo Dialina Brilhante, a implementação do programa de PBM no IPO de Lisboa está no bom caminho: “No final de 2018, poderemos reavaliar a sua implementação recorrendo a indicadores como, por exemplo, o nível de Hb pré e pós-operatório; as alterações a serem introduzidas no mapa de MSBOS; e outros indicadores que sejam identificados como pertinentes. Desta forma, será possível ter uma ideia mais consistente do impacto institucional deste programa.”

Tem havido uma boa colaboração e recetividade por parte dos profissionais de saúde, que, conta, “é evidenciada pela própria construção do MSBOS, como pela referenciação de doentes ao Hospital de Dia e à consulta”.

Por cada euro investido no PBM existe um retorno de 3,8 euros

Dialina Brilhante salienta que um programa de PBM a nível nacional pressupõe a definição e monitorização de indicadores em cada instituição:

“Sabemos de antemão que um programa de PBM a nível nacional tem impacto em termos de saúde pública, na medida em que representa ganhos com a diminuição de tempos de internamento, diminuição do número de transfusões, diminuição de DALY (anos de vida ajustados à incapacidade) e um benefício económico estimado em 67 milhões de euro/ano”.

Os dados são de um estudo levado a cabo pelo AWGP, em colaboração com a EXIGO, que têm vindo a ser divulgados.

Para além do impacto na utilização adequada dos diferentes componentes sanguíneos, a imunohemoterapeuta destaca o impacto positivo ao nível do consumo de recursos e dos custos. No estudo do AWGP, atrás referido, verificou-se que por cada euro investido no PBM existe um retorno de 3,8 euros. “Poucas medidas em termos de saúde permitem este retorno”, salienta.

A médica entende que o nosso país tem uma situação de “relativo privilégio”, já que desde há muitos anos tem médicos especializados na área da transfusão e, por isso, sensibilizados para este tema.

Deixe um comentário

avatar
  Subscrever  
Notifique
X