SEXTA-FEIRA, 28 NOVEMBRO

Mesa Redonda – Hemograma – Interface entre Clínica e Laboratório

Clínica

09:30 – 10:00

Moderadores

José Cortez e Augusto Machado

Palestrante

Augusto Machado

A anemia é uma entidade clínica extremamente frequente e causa ou consequência de inúmeras condições médicas. O diagnóstico inicial e diferencial da anemia assim como o acompanhamento da evolução e resposta à terapêutica são actos muito frequentes quer nos laboratórios médicos dedicados aos cuidados de saúde primária quer aos de âmbito hospitalar. Nem o perl das entidades clínicas nem a urgência das situações associadas a anemia são sobreponíveis para os dois tipos de laboratório médico. Também distinta agilidade e a qualidade da informação contida na comunicação clínica-laboratório-clínica. Os sistemas informáticos dos hospitais, das unidades de saúde primária e dos laboratórios clínicos dão uma ajuda muito signicativa mas ainda há um longo trajecto a percorrer para que a potencialidade dos laboratórios modernos seja explorada e utilizada plenamente. De cada vez que um hemograma é executado num contador automático de hematologia são obtidos índices hematimétricos, histogramas, citogramas e outras informações complementares que é comum não são serem incluídas no relatório laboratorial. Admite-se que em contraponto ao clássico “hemograma” a resposta laboratorial ser fortemente enriquecida com a utilização da multiplicidade de elementos produzidos pelos contadores, pela protocolização de alguns testes reexos e/ou complementares, de entre os quais não se pode deixar de destacar a observação da morfologia celular. Será apresentada a perspectiva do patologista clínico, a partir do laboratório médico não hospitalar e alguns casos clínicos que a ilustram.

X