SÁBADO, 24 NOVEMBRO

Mesa Redonda – ANEMIA – Paradigma da abordagem multidisciplinar

Evidência em Medicina Interna – Estudo Pro-Iron

11:00 – 11:30

Moderadores

António Robalo Nunes e Ana Farinha

Palestrante

Filipa Marques

Estudo Pro-IRON: Prevalência e impacto prognóstico da anemia e da ferropénia em doentes internados num Serviço de Medicina Interna.

Este estudo teve como objetivo avaliar a prevalência, os fatores de risco e impacto na mortalidade intra-hospitalar da anemia, da anemia ferropénica (IDA), da ferropénia com e sem anemia (IDRA) e da ferropénia sem anemia (IDWA), em doentes internados num Serviço de Medicina Interna. Através de um estudo prospetivo com um ano de duração, avaliaram-se os dados demográcos, antecedentes pessoais e análises sanguíneas dos 771 doentes consecutivamente admitidos no Serviço. Os resultados mostraram que a maioria dos doentes internados tinha idade superior a 65 anos (80,4%), eram hipertensos (63%), tinham doença renal crónica (CKD) moderada e insuciência cardíaca (41%). A prevalência da anemia, IDA, IDRA, e IDWA foi respetivamente de 67%, 41%, 58%, e 18%. Foram fatores preditores independentes de anemia: idade 65 anos (OR 1.76, 95% CI 1.15-2.70), cancro ativo (OR 2.44, 95% CI 1.42-4.39), e CKD moderada (OR 1.65, 95% CI 1.12-2.43). Foram fatores preditores independentes de ID: género feminino (OR 2.29, 95% CI 1.64-3.22), insuciência cardíaca (OR 1.65, 95% CI 1.16-2.37), e CKD moderada (OR 2.95, 95% CI 2.04-4.30). A mortalidade intra-hospitalar foi de 21.3%, e foi associada de forma independente à anemia (RR 1.82, 95% CI 1.21-2.74). Este estudo permitiu concluir que a anemia e a ferropénia são patologias extremamente prevalentes nos Serviços de Medicina Interna. A conscientização da necessidade da avaliação sistemática da anemia nos doentes internados em Serviço de Medicina Interna é fundamental, já que esta comorbilidade contribui substancialmente para o aumento da mortalidade intra-hospitalar e é tratável.

X